in

Tempero Cultural: descubra esse sabor

Por Yara Manolaque

TEMPERO CULTURAL

3 xícaras  de psicanálise

2 xícaras de filosofia

1 colher de fotografia

2 colheres de música

3 colheres de literatura

1 pitada de tempero especial

Misture tudo e sirva.

Foi em um domingo de setembro que conheci este Tempero. Convidada por Iris Marcolino, fui à casa de Yone Amorim, que me recebeu alegremente e me apresentou o seu aconchegante lar, localizado num bairro de Caruaru. A recepção foi completada por seu marido, que é fotógrafo, o cachorro Freud e a gata Lacan, além das plantas e toda a decoração regional reinventada pela anfitriã.

Fomos diretamente para a cozinha e na grande mesa de madeira havia uma garrafa de café fresquinho, pão integral caseiro e queijo coalho assado.  E logo surgiu a pergunta: “Yone, o que é o Tempero Cultural?” e ela: “Espera aí.” Ela volta com uma pasta preta e começa a me apresentar a receita.

Tudo começou quando Yone viu o documentário Estamira. Nele, uma mulher de sessenta e três anos, que vive num lixão do Rio de Janeiro, faz-se sujeito no meio de constantes delírios. Este foi o mote para que Yone se inquietasse diante das crises da contemporaneidade e da falta de um espaço de diálogo, que pudesse emergir discussões a cerca da produção cultural. É um encontro de saberes e sabores, que traz consigo alimentos que acolhem a sede do desejo diante de uma construção que possa transformar as sobras em cultura, arte, filosofia e psicanálise, sempre regado com uma comida natural preparada por ela e por seu marido. Os encontros acontecem um sábado por mês, a partir das 20h.

Conheça você também este sabor cultural!

Documentário: Estamira (2005), diretor Marcos Prado.

Realizadores do Tempero Cultural: Yone Amorim, Antonio Preggo, Bela Araújo, amigos e colaboradores.

Contato: yoneamorim@ig.com.br

 

 

Yara Manolaque,

Professora com Licenciatura em Língua Espanhola e Língua Portuguesa.

Especialista em Língua Espanhola e Novas Mídias.

4 Comments

Leave a Reply
  1. O Tempero tempera o meu coração a cada encontro!
    Acho fundamental o Encontro.
    Mas, o Tempero Cultural é marcante e conjuga os gostos variados, com a diversidade intelectual de seus convidados e participantes.
    O Tempero Cultural é uma surpresa sempre…
    Desse Tempero eu não me souto mais!

  2. Pois é, Maria Duarte. Realmente nos faz lembrar e acho que esses encontros culturais são raros, pois abandonamos muito o real para viver só no virtual. Quem sabe com este espaço virtual muitas experiências do mundo real serão aproveitadas. Parabéns Yone e a todos que fazem esse Tempero!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baixe aplicativos gratuitos e evite surpresas no trânsito

O Fabuloso Destino de Amélie Poulain