in

Ser mãe é sinônimo de amor

Imagem de Capa: Reprodução

Ser mãe de um já não deve ser fácil. Imagine só ser mãe de dois, três ou cinco filhos? Por isso, resolvemos homenagear no Dia das Mães, esses seres humanos capazes de se adaptar a tudo quando o assunto é filhos. Apresentamos a vocês, Ana Cristina Belfort e Margarida Michalewicz, mãe de trigêmios e quintuplos, respectivamente. Confira o post da advogada Ana Cristina Belfort…

Por Ana Cristina Belfort

Ser mãe é sinônimo de AMOR.  Ter um, dois, três, quatro, cinco… filhos, não diferem as mães e sim o amor e a dedicação de cada uma delas tem pelos seus. Devemos sempre observar,  a definição de amor contida na BÍBLIA SAGRADA, quando Paulo de Tarso escreveu aos cristãos da cidade de Corinto:

I Coríntios 13: 1-8
“ 1 Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine.
2 E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
3 E ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
4 O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não se vangloria, não se ensoberbece,
5 não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não suspeita mal;
6 não se regozija com a injustiça, mas se regozija com a verdade;
7 tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8 O amor jamais acaba…”

Amor de mãe jamais acaba. Partindo deste princpio, as dificuldades  são enfrentadas.

Eu e Rômulo vivemos esta realidade de termos Lucas, Marcos, Filipe, Andréa e Débora,  dividindo as tarefas e colaborando um com o outro nos momentos de dificuldade.

Quando falamos em educar cinco adolescentes, temos como  primordial orientação de Deus, através de suas escrituras. Tentamos seguir os padrões bíblicos de família, temos uma vida calma, dando sempre prioridade à educação e saúde aos nossos filhos.

Ana Cristina com a sua trupe. Na ordem (esq.): Débora, Marcos, Andréa, Cristina, Lucas e Filipe.

Eles frequentam a Igreja desde o berçário, quando maiorzinhos acordavam aos domingos, bem cedinho e iam ao nosso quarto, dizendo:  –  papai, mamãe, está na hora de ir para a igreja?

Hoje, adolescentes, continuam frequentando a igreja. Quanto a divertimento,  passamos nossas férias em Fortaleza, onde convivem com seus avós, tios e primos maternos, passando boa parte das férias na casa de praia.  Viagem para outros lugares, geralmente são programadas quando Rômulo vai a algum congresso ou a quando acompanhamos nossos filhos em suas atividades esportivas. E neste contexto, educamos nossos filhos.

Portanto,  amem seus filhos como o Senhor Deus nos amou, ou seja, incondicionalmente,  aproveitem cada minuto com eles, pois o tempo passa muito rápido. Sejam pacientes, amorosas  e vencerão as dificuldades que aparecer,  em alguns momentos sofreremos, mas acredite,  o AMOR  jamais acaba e tenham certeza, que os momentos de alegria, realização, carinho, de amor…, serão maiores de que qualquer outro.

E a entrevista com a engenheira química Margarida Michalewicz…

OF – Qual é composição da sua  família?

MM – Karolina Michalewicz Selingardi / 9 anos, Thaís Michalewicz Selingardi / 9 anos, Vicenzo Michalewicz Selingardi / 9 anos. Portanto, lá em casa somos cinco: eu, meu marido (Tauil Selingardi Junior) e os nossos 3 filhos.

OF – Como foi receber a notícia que estava grávida de trigêmios?

MM – Na verdade, foi tratamento, Fiz a fertilização. Sabiamos que seria  colocado 3 embriões, mas sempre nos foi dito que a probabilidade de nascer os 3, era de apenas 2%. Brinco até hoje que a médica errou na estatistica comigo…….KKKKKK. Mas foi um momento muito esperado e feliz, resultado de um longo e doloroso tratamento, que deu super certo.

OF – E o que mais vinha à mente quando você pensava “Como é que vai ser?”

MM – Como eu era mãe de primeira viagem, não tinha a dimensão real da situação. Sabíamos dos desafios materiais, tipo: 3 enxovais, 3 berços, babás, centenas de fraldas(descartáveis e de pano), roupas e leite, muito leite. Agora, noites acordadas, problemas de saúde, choro, logística para sair de casa, fica difícil mensurar, tudo isso.

OF – É uma loucura criar 3 crianças ao mesmo tempo? Principalmente sob qual aspecto?

MM – Sim! O financeiro.Quando eles eram pequenos era um trabalho braçal mesmo.  Como são gêmeos multivitelinos, são bem distintos,  cada um com sua personalidade própria, hoje seria no aspecto da Educação,  o certo o errado, cidadania, civilização, ecologia, modernidade, religião etc. Para que ele cresça com os conceitos certos,  se tornando uma pessoa melhor no futuro.

Vicenzo, Karolina e Thaís: o trio de Margarida!

OF – Qual é a melhor fase e a mais crítica?

MM – Quando eles eram pequenos era um trabalho braçal mesmo. Hoje, como são trigêmeos multivitelinos, são bem distintos, cada um com sua personalidade própria,  seria no aspecto da Educação, o certo o errado, cidadania, civilização, ecologia, modernidade, religião etc. Para que ele cresça com os conceitos certos, se tornando uma pessoa melhor no futuro.
Todas fases, tem seu lado bom e seus períodos críticos.

OF – Como é enxergar tudo triplamente se falando em filhos? Com o passar da idade, qual a maior diferença?

MM –Hoje já me acostumei e acho super normal, comprar tudo triplamente. Vejo que as pessoas estão mais acostumadas com gestações múltiplas, frutos de fertilizações, não se espantam tanto.
Maior diferença, é o crescimento rápido deles, outro dia eram bebês, hoje são crianças e daqui há alguns anos, serão adolescentes. Isso me assusta……

OF -Embora sejam trigêmios, quais as maiores semelhanças e diferenças?

MM – Semelhança= gosto (ex: chocolate, adoram), brinquedo e alguns  gestos.
Diferenças= Personalidade, perfil e hábito

8) Qual é a mensagem que você gostaria de deixar para as futuras mamães?

MM – Não sei de quem é o autor, mas me identifiquei  e gostei bastante com o texto:

Mãe é aquele ser estranho, louco, capaz de heroísmos, dramas e breguices com a mesma fúria. Paga mico, escreve carta para Papai Noel, se faz passar por fadinha do dente, coelho da Páscoa, cuca, pede autógrafo para artistas deploráveis, assiste a programas, peças, shows
horríveis, revê milhares de vezes os mesmos desenhos animados, conta as mesmas histórias centenas de vezes, vai pra Disney e A D O R A!

Mãe faz escândalo, tira satisfação com professor, berra em público, dá vexame, deixa a gente sem graça, compra briga, é espaçosa, barulhenta,tendenciosa, leoa, tiete, dona da gente.
Mãe desperta extremos, ganas, irrita, enlouquece, mas… É mãe.
Mãe faz promessa, prestação, hora extra, pra que a gente tenha o que é preciso e o que sonha. Mãe surta, passa dos limites, às vezes até bate, diz coisas duras.
Mãe pede desculpas, mortificada…
Mãe é um bicho doido, louco pela cria.
Mãe é visceral! Mãe chora em apresentação de balé, em competição de natação, quando a filha menstrua pela primeira vez, quando dá o primeiro beijo, quando vê a filha apaixonada no casamento, no parto…
Xinga todo e cada desgraçado que faz os filhos sofrerem, enlouquece esperando eles chegarem da balada, arranca os cabelos diante da morte…
Mãe é uma espécie esquisita que se alterna entre fada e bruxa com uma naturalidade espantosa.
É competente no item culpa e insuperável no item ternura,
mas pode ser virulenta, tem um lado B às vezes C, D, E… Mãe é melosa, excessiva, obsessiva, repulsiva, comovente, histérica, mas não se é feliz sem uma.

Mãe é contrato irrevogável, vitalício instransferível!
Mãe lê pensamento, tem premonição, sonhos estranhos.
Conhece cara de choro, de gripe, de medo, entra sem bater, liga de madrugada, pede
favor chato, palpita e implica com amigos, namorados, escolhas.

Mãe dá a roupa do corpo, tempo, dinheiro, conselho, cuidado, proteção.
Mãe dá um jeito, dá nó, dá bronca, dá força.
Mãe cura cólica, porre, tristeza, pânico noturno, medos.
Espanta monstros, pesadelos, bactérias
mosquitos, perigos.

Mãe tem intuição e é messiânica: mãe salva.
Mãe guarda tesouros, conta histórias e tece lembranças.
Mãe é arquivo! Mãe exagera, exaure, extrapola.

Mãe transborda, inunda, transcende. Ama, desmama, desarma, denota, manda, desmanda, desanda, demanda.
Rumina o passado, remói dores, dá o troco, adora uma cobrança e um perdão lacrimoso.
Mãe abriga, afaga, alisa, lambe, conhece as batidas do nosso coração, o toque dos nossos dedos, as cores do nosso olhar e ouve música quando a gente ri.

Mãe tem coração de mãe!

Mãe é pedra no caminho, é rumo; é pedra no sapato, é rocha; é drama mexicano, tragédia grega e comédia italiana; é o maior dos clássicos; é colo, cadeira de balanço e divã de terapeuta…

Mãe é madona-mia! É Deus-me-acuda; é graças-a-Deus; é mãezinha-do-céu, é-mãe-minha-e-
eu-mato-quando-quiser; é a que padece no paraíso enquanto nos inferniza…

Mãe é absurda e inexoravelmente para sempre e é uma só.
Não há mistério maior!
Só cabe uma mãe na vida de um filho… E olhe lá! Às vezes, nem cabe inteira.

Mãe é imensurável!
Mãe é saudade instalada desde o instante em que descobrimos a morte.
Mãe é eterna, não morre jamais. Bicho estranho, entranha, milagre,
façanha, matriz, alma, carne viva, laço de sangue, flor da pele.
Mãe é mãe, e faz cada coisa…

Margarida e o marido Tauil com os filhos.

 

 

One Comment

Leave a Reply
  1. Dois estilos de mãe mas a essência é a mesma: amor, expressão de carinho, cuidado e muita coragem para enfrentar as dificuldades cotidianas. Parabéns OF por homenagear o Dia das Mães !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Juno

Moda inverno: cores adocicadas tomam conta das passarelas