in

Ricardo Fischer e a missão de resgatar identidades

Adoção é sinônimo de recomeço, vida nova, mas para alguns filhos adotivos a curiosidade pelo próprio passado pode se tornar um objetivo de vida. Foi o caso do empresário gaúcho Ricardo Fischer. Aos 10 anos, ele descobriu que era adotado. A suspeita veio com as sucessivas brincadeiras sobre a sua diferença física em relação aos pais. Após algum tempo, Fischer resolveu desvendar as suas origens e iniciou uma longa investigação. Depois do caso solucionado, mais uma página dessa história seria escrita.

A satisfação em se sentir dono da própria história aliada ao desejo de ajudar outros filhos adotivos a resgatarem suas raízes foi o que levou o gaúcho a fundar a ONG Filhos Adotivos do Brasil (www.filhosadotivosdobrasil.com.br). Desde 2007, a entidade, sediada em Porto Alegre (RS),  desenvolve o trabalho de busca por familiares biológicos.

Segundo o presidente da ONG, é um direito do homem conhecer o seu passado. “Todo mundo precisa saber de onde veio”. A vontade de conhecer a própria história, entretanto, pode causar um certo desconforto em casa. Afinal, não há como desconsiderar que entre o filho e o que ficou para trás existe uma família adotiva. “É delicado, mas isso não deveria ser encarado com receio. Quando eu decidi iniciar a procura pela minha mãe biológica, deixei claro para os meus pais que eu não estava em busca de afeto, mas sim, de informação sobre a minha vida”, pontua ele.

Por trás do abandono existe uma história que merece ser resgatada. A entidade identifica:  quase 90% dos casos de abandono investigados são protagonizados por pais que foram vítimas de condições fortes (mãe solteira, estupro, abuso ou preconceito familiar, falta de recursos). ” No meu caso, a mágoa deu espaço a descoberta. Quando eu conheci a minha mãe biológica, tive a chance de saber que ela tentou ficar comigo até onde pôde, mas por causa da situação financeira, ela teve que me entregar. Fez a diferença saber que não fui rejeitado.”  Fischer mantém contato frequente com a mãe biológica, mas o amor pela mãe adotiva permanece até hoje, mesmo após o falecimento dela.

Segundo Fischer, é possível que o filho adotivo não queira saber os detalhes desse início de vida durante 10, 15 anos, mas em algum instante, essa informação passa a ser necessária. Atualmente, a associação esta à frente de um caso de uma pessoa de 74 anos. “Para ela, nesse momento, é importante ter a sua estrutura familiar biológica revelada, independente de ter uma idade mais avançada ou não”, explica o presidente.

A Ong Filhos Adotivos do Brasil também oferece atendimento a pais biológicos que querem reencontrar seus filhos, entretanto, os números são bem menos expressivos.” Temos muito mais filhos que procuram os pais do que pais que procuram filhos. Os pais, provavelmente, já refizeram a vida, têm uma nova família, o que dificulta a reaproximação. Muitas vezes é constrangedor assumir um passado que foi escondido. Uma atitude que foi tomada lá atrás, na juventude”, conta ele.

Esse processo investigativo requer tempo e muita paciência. Viabilizar o acesso à informação é montar um quebra- cabeça. Apesar da nova lei sancionada (Art.48. Lei nº 12.010, de 2009), que diz que o adotado tem direito às suas informações, o cenário não é cor de rosa. “A gente consegue se informar com muita dificuldade, através dos bastidores (SUS, INSS). A partir do nome começamos a levantar dados nos hospitais, orfanatos e delegacias. Demora mesmo, não é facil, mas trabalhamos com muito cuidado para concluir a busca com êxito”, revela o gaúcho.

Quando as informações não aparecem através do processo natural, é necessário entrar judicialmente contra a entidade ou a instituição de acolhimento. É sempre importante se apropriar da lei. “Geralmente as pessoas ganham quando entram na justiça, mas a volta é muito maior. No mínimo, 3 anos”, completa ele.

Além dos ganhos em relação à própria identidade, conhecer a sua árvore genealógica pode trazer benefícios por questões médicas. É importante saber se na família há casos de diabetes, pressão alta, câncer, até mesmo para casos de transplante. Há muito mais chances de se obter sucesso (encontrar um doador) tendo acesso à família biológica. Portanto, a descoberta de si mesmo é mais do que uma localização no mundo, é um resgate do próprio espaço como cidadão.

A entidade Filhos Adotivos do Brasil já solucionou mais de 350 casos no Brasil e 4 no exterior, atua em mais de 1400 processos e tem uma lista de espera superior a 3000 pessoas.

17 Comments

Leave a Reply
  1. Eu sou inscrita em Filhos Adotivos do Brasil. mas nunca tive o meu caso resolvido. O nome de minha mãe Ivani da Conceição existiram e existem centenas de pessoas com este nome o que traz bastante dificuldade. Sua patroa Aurora D’avila também nunca consegui encontrar. grata Aurora Meu problema maior é não ter nome de mãe no registro de nascimento. Fui deixada na casa dos expostos em 1952 no Rio de janeiro. Tenho hoje 60 anos. e gostaria muito de ver meu caso solucionado.

  2. minha avó(Zenailda 53 anos)quer achar o pai dela ou alguém da família dele e ela queria saber se tem irmãos por parte dele só sabe que se chamava Justino pereira e era maquinista de trem.ela nasceu em contendas Bahia seu pai tbm era de la ela viveu na cidade até os 5 meses sua mãe é maria jose dos santos

  3. TENHO UM FILHA DE SETE ANOS QUE TEM VONTADE DE CONHECER A MÃE BIOLÓGICA E SUA IRMÃ E IRMÃO QUE TAMBÉM NÃO VIVE COM A MÃE,COMO DEVO FAZER?

  4. oi boa noite meu nome é Ailton venancio da silva eu fui adotado no dia 22 de novembro de 1981 na cidade de Recife no municipio de Jaboatão dos guararapes pela minha mãe adotiva Severina antonia da silva e pelo meu pai adotivo Severino venancio da silva eu espero que vcs posão me ajudar espero o retorno de vcs ok? o meu email.. é esse Ailtonjogafacil@gmail.com tchau

  5. Ricardo o tema ñ e diferente d muitos+por muitos anos foisofrimento p minha mae e é um deseijo grande q com fe em deus e sua ajuda eu consiga colocar e dar de presente aos irmaos e principalmente m irmà q para nao sofrer + preffere nao tocar n assunto.O nome-é Antonio Aureliano d Cunha Filho nascido em joao peres MA.em 1963 filho Floriza M. da Conceiçao e Antonio Aureliano d Cunha ha 44anos atras o pai foi embora pr PARA c 2 anos depois atraves d irmao retornan a cidade d origem pra levar o menino q ela + maltratava sem querer e presionada mandou e ate hoje a ultima noticia q tivemos foi d pai em ICARAI divisa d venezuela. qd falamos c ele a resposta foi cruel ele nao hesitou em deixar c qq pessoa e s sentimento algum eu creio q uma luz n fimd tunel vai surgi m ajude eu imploro meu nome é Angela moro em sao paulo meu tel: 961116541

  6. A muitos anos procuro duas irmãs por parte de pai, ja tentei de todas as formas achar elas mas nunca tive exito, desde quando tinha meus 7 anos de idade escrevia pedindo endereço para um tio meu, meu tio tinha medo que elas me desprezasse, foi a ultima carta que ele me enviou. Minha história é triste e é por isso que peço ajuda urgente. Tenho duas irmãs do primeiro casamento do meu pai, a separação deles foi por motivo triste, a mae delas trabalhava no centro espírita que a minha avo tinha, e um dia, esse centro pegou fogo, uma tia se queimou muito porém sobreviveu, mas a 1º esposa do meu pai se chamava Pompéia, morreu queimada. A familia dela se revoltou com a familia do meu pai. depois disso, meu pai sempre ia ver elas, mas depois dessa tragédia elas ficaram com os pais da mãe delas. Hoje eu acho que elas tem aproximadamente 52 e 53 anos. meu pai esta muito doente, não se levanta mais, não tem força mais pra nada, estava enternado com pneumonia e esta no fim de vida, e lutei e contínuo lutando e pedindo ajuda,pois o meu pai e as minhas irmãs precisam se reencontrar e se perdoarem. Hoje vi um homem que estava no programa do Rodrigo Faro, se chama Ricardo e é de uma ong, e estou tentando pela última vez a pedir ajuda. Uma se chama Zilda Helena de Souza e a outra Joana darqui de Souza, moraram em Ponte Nova -MG, a uns dois anos atras um primo meu disse que descobriu que a Zilda Helena de Souza trabalha em um hospital em belo Horizonte de Enfermeira. Mas não me passou o endereço. Um tio meu nunca quis me dar noticias dela porque existia uma briga entre famílias. esses dias pensamos que meu pai não iria aguentar sobreviver e peço se tem alguém que possa me ajudar a colocar eles novamente de frente e que se ele parti, possa parti tendo o perdão. Por favor me dê um retorno se podem me ajudar. pela situação de saude do meu pai, o meu coração doí muito, pois sinto que não vai aguentar muito e não consigo e nem tenho ideia de juntar eles. Eles precisam urgentemente se perdoarem. Me socorre nesse pedido.

  7. Sr. Ricardo junto com o Programa do Rodrigo Faro encontre meu sobrinho de 29 anos. O pai Heinaldo Moura só viu quando nasceu em Maceió, logo depois a mãe foi embora para Petrolian-PE até hoje nem noticias. O nome dele era Maercelo da Silva, a mãe Maria Francisca da Silva, Ident 2790542, filha de Otaviano Pereira silva e Francisca Angelina de Jesus. O meu irmão tem uma deficiencia fisica e ja vai fazer 60 anos, sofre com a ausencia do filho. Ele nasceu em 09.09.1984 e ninguem sabe o paradeiro dele até hoje. Tb as condições não favorece a procura. AJUDE-ENCONTRA-LO com o programa do Rodrigo Faro. Já escrevi para outros sem exito.Por favor, essa é nossa esperança.

  8. queria muito encontrar meu sobrinho que foi praticamente tirado dos bracos de minha irma ha 22 anos atras .MEUS pais E OUTRA irma armaram tudo fez com que ela dasse a crianca esm ela querer .FOI MINHA OUTRA IRMA QUE ASSINOU os papeis da adocao ate hoje miha irma nao conseguiu superar essa perda qualquer susto que ela tem ela desmaia e antes nao era assim ja escrevi para outros programas mas ate hoje nao tive nenhuma resposta . SABEMOS que a crianca foi vendido para a franca para um casal de advogados .NO cartorio onde moro tem todos os dados da crianca . ELE saiu daqui com o seu nome adotivo de FLORIA RONAM me AJUDA POR FAVOR QUERIA TANTO VER MINHA IRMA SORRIR DE NOVO ABRACOS

  9. estou de novo para passar outra mensagem que continuo procurando por meu sobrinho que com certeza mora na franca porque o nome dele e dos pais adotivos sao frnceses .HOJE ele tem 22 anos e saiu daqui do brasil com o nome de florian ronan brabant eu nao que ele deixe sua familia adotiva so quero que saiba que nos o amamos mesmo esm conhecer lo ele so foi entregue a adocao porque meus pais nao quiseram ele e na epoca ninguem tinha condicoes de criar lo e quem adotou promenteu pra mimha irma que seria ele que iria ficar com a crianca porque eles nao tinham filhos . SO muitos anoa depois que comecamos a procurar lo e descobrimos que a crianca teria sida adotado por um casal de franceses advogados .PROCUREI no cartorio e encotrei os dados mas enfim ate hoje nao conseguimos nada mas nao perdi as espersncas porque eu seio que um dia nos vamos encontrar lo me ajude por favor

  10. Oi gostaria muito de encontrar meus dois filhos que foram adotados o nome deles é Erick gabriel mendes figueredo nasceu dia05/11/2006 e Victor manuel mendes figueredo nasceu dia04/02/2009 foram adotados já faz uns trez anos por favor me ajudem a encontrar eles.Sou de Curitibanos SC.

  11. hoje houvi falar deste site, e me interessei muito pois algum tempo estou sendo incomodada há conhecer meu pai, não sei o que aconteceu no passado, só sei que sou fruto dele, mais o pior é não saber nada de mim mesma, não conheci ninguém da parte da minha mãe, pois ela também foi adotada, não conheci ninguém da parte de pai pois não o conheci, só sei que existo tenho filhos e netos, e pra não perder este único vinculo de família tenho fobia de velos sair de perto de mim.

  12. olá ricardo,vi um filme e nele estava o seu nome,como a ong filhos adotivos,entao resolve escrever para vc.minha vida é como livro sem realidade,fui adotada com seis meses de idade quando estava mais com 11 anos resolvi procurar meus pais,so quero conhecer,mas ninguem me conta a verdade,quando pergunto meu irmao ou minha irma choram nao sei porque,minha mae e meu pai nao gostava que eu tocasse nesse assunto,mas como ja faleceram quero saber,encontrei no meio dos documentos do meu pai o meu registro,nasci dia 28 de maio de 1966 as 16hrs no hospital santa casa de belo horizonte,ja fui la mas me falaram que para abri o arquivo precisa de autorizaçao de juiz,e é ai que nao consigo,se puder me ajude,nao quero que meus irmaos saibam….ja agradeço DEUS te abençoe mirian

  13. PROCURANDO SUA VERDADEIRA MÃE:
    Vou contar uma historia muito boa: Nasci em escada no dia 18/09/1952, será que foi? então fui doado há uma família que morava próximo a cadeia publica de Escada-pe não tive o prazer de conhecer minha mae biologia, segundo informação do meu pai de criação, o qual me registrou, disse que era uma mulher morena e com cabelos bonitos longos e pretos, depois sai da cidade vindo morar aqui em recife, fui vizinho de um rapaz que se tornou chefe do cartório de escada chamava Antônio a irmã dele mora em recife, mas não sei onde, brincávamos muito no terraço de nossa casa, lembro que naquela época os pais de antonio no solto de casa tinha muitas bananas. De la pra ca procurei diversas vezes noticias de alguém que conhecia esta historia de uma mulher que deu seu próprio filho pra outra mulher criar, pois não tinha condições de me criar, então a todos os escandense, como eu, se souberem alguma novidade, algum parente que tenha e saída de uma historia desta entre em contato comigo.

  14. ola !sou angela santos

    Boa noite tenho um sobrinho levado pelo tio do maranha para o Pará no intuito para levar ao pai,segundo o tio dizendo para a família que o pai estava a sua espera no pará,depois de ter levado a criança perdemos totalmente contato com o tio e o sobrinho a 10 anos atras tivemos informações sobre o pai mas sobre o tio e a criança nada.
    Ate então descobrimos que a criança estava sofrendo maus tratos pelo o tio (RELATA O PAI).
    Ate hoje não tivemos mas informações sobre o meu sobrinho,peço carecidamente que mim ajude a encontrar o meu sobrinho.

    Obrigado pela atenção

  15. to a procura de conhecer minha mae hoje tenho 44 anos a familia que me adotou e muito mal eu so queria antes de morrer de ter um abraço verdadeiro porque essa vida so tive falsidade e disgosto com essa familia

  16. Sou adotiva, tenho muita vontade de saber de minha origem, segundo meu registro nasci em 1955, me contaram varias historias, mais nenhuma me convenceu, inclusive que nasci em mandaguari, tem uma outra historia que nasci no estado de São Paulo numa fazenda pelo lado acima do rio, quando me roubaram fui para o outro lado do rio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A Igualdade é branca

A Força da Mulher