in

Montreal: o início de tudo

Imagem de capa: Reprodução

Em homenagem aos três anos da minha amizade com a nossa editora Ana Karla, inicio hoje a série especial (e surpresa!) Montreal: o início de tudo sobre a cidade de Montreal – Québec (Canadá), onde nos conhecemos.

Vou apresentar a vocês um pouco do que conhecemos por lá, relembrando os melhores momentos vividos em nosso intercâmbio. Estivemos juntas por apenas 30 dias em solos canadenses, mas o tempo é apenas um detalhe quando se vive uma experiência tão maravilhosa.

No dia 27 de junho de 2010, éramos apenas duas pernambucanas em busca de algo e de algum inglês e sequer imaginávamos o que viria pela frente. Só queríamos o ali e o agora. E assim foi…

Uma viagem imensamente desejada. Uma cidade subterrânea cheia de glamour . Um dos principais centros comerciais, culturais e industriais da América do Norte. Uma oportunidade que não voltaria jamais. Um exercício de autoconhecimento e de abertura ao novo. A escuta de vários idiomas por dia. A descoberta das mais difíceis respostas. Um local para se despedir com data de volta marcada.

A terra que tem o francês como língua mãe, havia nos recebido em plena Copa. Parecia que não faltava mais nada pra gente.

Nós entre uma mini-canadense, em uma das nossas viagens pelo Canadá.

Um mês se passou. Ana se foi e eu segui por mais 4 meses. E só no dia da sua partida, eu senti o peso de quem fica. Nunca contei isso a ela, poderia soar cafona.

Após nos despedirmos com um bom vinho na Old Port, seguimos para o metrô. No caminho de volta, ainda juntas, eu já me imaginava sozinha. Fomos em estações opostas e quando ela me deixou, bateu vontade de voltar, deu um medo. O coração ficou miúdo e eu me senti uma boba por oferecer em segredo algumas lágrimas para alguém que eu conhecia há apenas duas quinzenas…

Depois disso, muitas águas rolaram, vieram novas amizades, novos passeios, mas essa é uma outra história…

Convido todos (as) observadores (as) a embarcarem nessa série, que promete trazer os melhores pontos turísticos e as diversas nuances dessa incrível cidade, segundo a editora e a jornalista do Observatório Feminino.

Até a próxima semana!

*As publicações da série Montreal: o início de tudo estão programadas para todas as segundas-feiras do mês.

 

5 Comments

Leave a Reply
  1. Carol, como vc fez isso comigo??? Tive um susto quando abri o blog hoje! Amiga me emocionei com essa série surpresa. Bateu muita saudade. De fato nossa conexão foi inexplicável e é também indizível. Como pudemos nutrir uma amizade forte em 2 quinzenas? O bom é que Deus ou para quem prefere, o destino, nos colocou lado a lado para nos ajudarmos em Montreal e muito mais depois, como agora, que temos um projeto em comum que é o OF.
    Confesso que me recinto por não termos mais tempo para trocarmos figurinhas, pois, vc com suas viagens a trabalho e outras de puro lazer e eu com muitas atribuições, terminamos nos desencontrando. Mas, nossos encontros e desencontros são parte de nossa história, inexoravelmente. Te amo, Carol Maia!

  2. Maravilhosa a retrospectiva desse momento de vocês em Montreal
    ..
    Cada vez mais sinto vontade de conhecer aquelas bandas, pelas histórias de viajantes e leituras realizadas.

  3. Às vezes é quando estamos mais sozinhos de descobrimos verdadeiras amizades, vocês uniram a distância da família, a vontade de descobrir o desconhecido, momento de vida certo, com as personalidades de vocês que é bem peculiar – pra não chamar uma respeitável Editora e uma Jornalista de malucas. Resumindo vocês naquele momento eram “a fome com a vontade de comer” como diríamos os pernambucanos. Não faço ideia como seria uma gíria parecida em inglês. Mas é do inesperado que se surge grandes acontecimentos. Já que estamos falando em amizade, posso falar com propriedade dessa “baixinha arretada” como diria na terra dela. Acho que o destino também nos uniu, no nosso caso a princípio foi pelo trabalho, mais depois o trabalho tornou-se secundário e o que nos une é a admiração, respeito, escolha, o que define pra mim uma verdadeira amizade. Já disse por diversas vezes, mais agora vou dizer para o mundo: Duda, apesar de sermos espaçosas, bocudas, termos personalidades parecidas, histórias de vida parecidas, não sei descrever em uma palavra o que sinto por você, simplesmente sinto. Serei eternamente grata por ter a sua amizade.

  4. Carol, estou curiosa para ver e ler a sua visão de Montréal e do Québec, sobretudo ver como a memoria, mesmo com fotos mil, trabalha as lembranças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O que usar de novidade quando o assunto são joias?

Preto no novo uniforme da seleção brasileira