in

Desabafo sobre negligência hospitalar viraliza no Facebook

Créditos: Pablo Assis/Facebook

O empresário Pablo Assis compartilhou, no Facebook, momentos de sufoco que passou com sua esposa, Amanda Assis, num hospital particular do Rio de Janeiro. Na manhã do dia 30 de junho, Amanda começou a sentir dores fortes e foi levada pelo marido ao hospital Copa ‘Dor.

Após uma tomografia, o diagnóstico foi dado: era apendicite. “Apendicite é, na imensa maioria das vezes, um caso meio óbvio pra medicina. Remove-se o apêndice via cirurgia e pronto. Mas foi aí que nosso drama começou”, afirmou Pablo.

O problema é que o hospital não queria autorizar a cirurgia de Amanda, que tinha seguro de saúde e agonizava de dor. Ao contactar o plano de saúde da esposa, que é americana, Pablo ouviu que o hospital estava se negando a aceitar o procedimento padrão do plano.

“Às 18h chega no leito um senhor da administração do hospital dizendo que infelizmente o hospital não aceitaria o seguro, e que nós precisaríamos pagar a cirurgia e depois correr atrás do reembolso. Em bom português: um paciente com dores excruciantes precisaria pensar no desembolso instantâneo de R$50.000+ porque o Copa`Dor não aceitava “a política” da nossa seguradora”, conta o empresário no texto.

A situação só foi revertida porque, ao contactar uma amiga, Pablo foi apresentado à ONG “Movimento Chega De Descaso”, que busca representar os interesses individuais e coletivos na garantia do direito essencial à saúde, seja no público ou privado, impedindo que instituições se aproveitem da vulnerabilidade dos doentes. Sabendo que o seguro de Amanda havia enviado ao hospital uma carta dizendo que cobriria a paciente até 2 milhões de dólares caso fosse devido, Davi Monteiro, do MCD, orientou Pablo a dizer as “palavras mágicas”: “Diga ao hospital que você quer um LAUDO CONCLUSIVO do diagnóstico e que vai a juízo buscar uma LIMINAR para exigir a operação. BOOM! Em 15 minutos a supervisora geral e o diretor financeiro do hospital estavam na sala e a partir daí tudo fluiu. Cirurgia autorizada e bola pra frente”, relata Pablo.

Amanda já se recupera bem e rápido da cirurgia, mas Pablo deixou o seu texto como um alerta pra que mais pessoas saibam seus direitos e também para divulgar o trabalho do MCD, que conta com colaborações e pode ser contactado em seu site. O texto de Pablo pode ser lido na íntegra aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Grata pelos nãos

UMA: A voz das mães e crianças que precisam ser ouvidas