in

Chaplin (1940): o profeta satírico da barbárie

Imagens: Reprodução

Por Nivaldo Mulatinho

“Sinto muito, mas não pretendo ser imperador. Não é esse o meu ofício. Não quero governar, nem conquistar ninguém. Gostaria de ajudar a todos. Judeus, gentios, negros, brancos (…) O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, mas nos extraviamos. A cobiça envenenou a alma dos homens – formou uma barricada de ódio no mundo – e nos conduz, marchando, à miséria e ao derramamento de sangue. Desenvolvemos as engrenagens, mas nelas nos perdemos. As máquinas que dão abundância nos deixaram carentes. Nosso conhecimento nos deixou a todos cínicos, nossa engenhosidade nos faz rudes. Pensamos demais e sentimos muito pouco. Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de esperteza, precisamos de afeições e delicadeza. Sem essas qualidades, a vida será violenta e todos nós estaremos perdidos” (Palavras do barbeiro judeu no discurso final de “O Grande Ditador”, que dura seis minutos no filme).

O ditador alemão Adolf Hitler

Adolf Hitler era fã de cinema. Seu assecla mais próximo, Joseph Goebbels, também. E, nomeado Ministro da Propaganda e Informação, Goebbels logo convocou FRITZ LANG, o diretor de “Metropolis” (de 1927, hoje um marco estético da arte cinematográfica) para supervisionar as produções alusivas ao Terceiro Reich, embora o governo nazista tivesse censurado “O Testamento do Doutor Mabuse”, filme de 1933, onde LANG tece um paralelo entre a loucura e o poder ditatorial. Calculem. É assim: os tiranos adoram censurar. Mas precisam aparecer muito, sempre e sempre. Precisam de artistas. Sejam eles áulicos ou não. Sejam fanáticos ou não. Conta-se que FRITZ LANG, que era filho de mãe judia, agradeceu o convite do Ministro de Hitler, fingindo-se lisonjeado, e, quase de imediato, com um nome falso e sem usar o seu inconfundível monóculo, fugiu para Paris. Em 1940, LANG estava em Hollywood, onde viviam outros artistas fugitivos, como BILLY WILDER e BERTOLT BRECHT. E lá estava também CHARLES SPENCER CHAPLIN, na época, sem dúvida, o mais célebre artista vivo do mundo, criador do adorável Vagabundo que chamamos Carlitos, o nome definitivo da Sétima Arte, depois de uma série iniciada em 1914, em especial a partir da película muda chamada “Vida de Cachorro” (media-se assim: 2.674 pés), lançada em 14 de abril de 1918.

É no mês de abril, em 1889, que nascem CHARLES CHAPLIN e Hitler, nos dias 16 e 20, respectivamente. Quatro dias separam dois pólos opostos da humanidade, escreveu DAVID ROBINSON, na mais densa e analítica obra sobre a arte e a vida do criador de “Luzes da Ribalta” – livro de 1985, só lançado no Brasil em 2011.

Sabemos que, a partir dos primeiros sucessos, CARLITOS suscitou diversos imitadores. Um deles, não figura em nenhuma lista. Sua celebridade, porém, não parou de crescer, a partir dos anos de 1932-1933, alcançando, rapidamente, a do “little tramp” de “Em Busca do Ouro” (filme de 1925), e talvez ultrapassando-a, em outra escala. Afinal, em 1938, era visto como o salvador da Alemanha e um possível salvador da Civilização Ocidental (que tinha sofrido a Primeira Guerra Mundial e o desastre financeiro de 1929). Ele era o ex-agitador político austríaco chamado Adolf Hitler. E pode ser que tenha cometido a imprudência de imitar CARLITOS, como disse o crítico francês ANDRÉ BAZIN, sob o efeito de “influências sociológicas inconscientes” e sem qualquer segunda intenção pessoal. Mas, ao roubar o bigode de CARLITOS, Hitler entregou-se “de pés e mãos atadas” a CHARLES CHAPLIN.

Charles Chaplin representa Hitler no filme O Grande Ditador

Em “O Grande Ditador”, o primeiro filme inteiramente falado de CHAPLIN, o tema supera as dimensões do próprio CARLITOS, que assume a identidade de um barbeiro judeu. Ele acaba ocupando o lugar do seu sósia, o ditador Hynkel, da fictícia Tomânia, um homem que deseja ser o Imperador do Mundo (“Ou César ou nada”, diz Hynkel, brincando, amoroso, com um globo terrestre, numa das cenas mais extraordinárias do humor em todos os tempos). É uma assombrosa e corrosiva caricatura de Adolf Hitler. CHAPLIN conseguiu unir a paródia a um impressionante realismo. Escrevendo o roteiro entre 1937 e 1938, ele viu os noticiários filmados da época, copiando os gestos de ópera bufa (diríamos hoje) do líder nazista. Zombaria absoluta. Até os microfones se curvam, medrosos, diante dos gritos em forma de discurso do homem que desejava ser o Chefão dos povos.

Só que, por trás de toda essa comicidade, essa sátira demolidora, CHAPLIN estampa o cenário histórico que o mundo já vivia e iria ainda viver, dramaticamente. O palhaço CARLITOS, um malandro cheio de piruetas, um protagonista desajeitado e sentimental, que dialogava ferozmente com o seu tempo, denunciando, sem moralismos, a ordem estabelecida, virou um profeta, um anunciador da barbárie.

Em uma das partes bem características de “O Grande Ditador”, um dos Ministros do ditador Hynkel anuncia, maravilhado, a descoberta de um gás que, segundo ele, “matará a todos”. Em 1938, a Alemanha já tinha 30 mil judeus em campos de concentração. No Documentário, editado em 2003, que faz parte dos extras da nova série de DVD’S, lançada agora sobre toda a filmografia do criador de “Tempos Modernos”, o cineasta grego COSTA-GAVRAS registra o lado visionário de CHARLES CHAPLIN, dissecando a época do lançamento de “O Grande Ditador” (outubro de 1940), tempo em que Hitler e Mussolini estavam no auge de suas glórias políticas e das suas aparências heróicas. A fala de GAVRAS, que ganhou destaque no cenário internacional com o filme “Z”, de 1969, denunciador da ditadura militar na Grécia, nos anos 60, é um régio presente para os que amam CHAPLIN, ou seja, o próprio Cinema. E também para os que apreciam uma discussão séria sobre os fatos e as personalidades do Conflito de 1939-1945.

 Em 1940, os Estados Unidos tentavam manter uma olímpica neutralidade em relação ao que acontecia na Europa. O governo norte-americano tinha uma vigilância sobre a produção cultural do país. Mas Hitler e Mussolini expandiam seus impérios. Organizações nazi-fascistas eram criadas na América. Hollywood, como um todo, fazia seus filmes e cerca de um terço do lucro vinha do exterior. Os estúdios não queriam perder o mercado da Itália e da Alemanha. Mas a timidez de Hollywood em relação ao nazismo não deixava de ser uma consequência de seus sentimentos antissemitas. Disseminados, intensos. Muito mais do que hoje é lembrado ou reconhecido. Os judeus eram totalmente excluídos da maioria dos cargos executivos. Havia cotas que limitavam o número deles em muitos clubes, universidades e corporações, como relata OTTO FRIEDRICH, em “A Cidade das Redes”, um livro sobre a chamada Capital do Cinema, nos anos 40.

A estreia oficial de “O Grande Ditador” ocorreu em Nova Iorque, no dia 11 de outubro de 1940. Um sucesso absoluto. Com as finanças e a popularidade em dia, CHAPLIN foi intimado para depor diante de uma improvisada Subcomissão do Senado sobre propaganda de guerra, em 1941. O filme também deu a ele, nos arquivos do FBI, o singular apelido de “antifascista prematuro”. Na terminologia da época, assinala STEPHEN WEISSMAN, esse era um eufemismo para carimbar alguém que, com tendências esquerdistas, não era membro do Partido Comunista. Na verdade, os pontos de vista apaixonadamente antinazistas de CHAPLIN foram bem claros desde o final da década de 30 até o fim da guerra, nunca mudaram. Mas a relação dos Estados Unidos com a Rússia e a Alemanha, sim. Durante os anos do pacto Hitler-Stalin, a posição oficial norte-americana era isolacionista, e o discurso final da narrativa sobre o Ditador da fictícia Tomânia foi visto como um incentivo à guerra. Antes do Conflito Mundial, o Partido Comunista Americano e o American First Comittee, de direita, estavam juntos na férrea oposição à possibilidade do país combater a Alemanha. Foi exatamente nesse período que CHAPLIN filmou e fez o lançamento mundial de “O Grande Ditador”.

Em Londres, o filme estreou em 16 de dezembro de 1940, no auge dos bombardeios nazistas. A população civil sofria. CHURCHILL captou aquele momento crítico em uma de suas frases memoráveis, quando a batalha aérea era tenebrosa, em 20 de agosto de 1940: “Nunca na história dos conflitos humanos tantos deveram tanto a tão poucos”.

Para os britânicos, é certo, o filme foi um imenso júbilo. Hitler era um inimigo muito real. Acima de tudo, assinala DAVID ROBINSON, “eles amavam a piada primordial da semelhança física entre o velho Adolf e o homem mais engraçado do mundo”. CHAPLIN “é o único artista que detém a arma secreta da risada mortal, escreveu, naquele momento, o comentarista RUDOLPH ARNHEIM, que era, então, um fugitivo recente da Alemanha.

O discurso final do barbeiro judeu, no qual a direita sentiu “vestígios de comunismo” e a esquerda encontrou puro sentimentalismo, nunca desagradou ao chamado grande público. Ao contrário. Foi largamente citado e impresso onde o filme foi exibido. E, na Inglaterra, o Partido Comunista o colocou em um panfleto especial. Basta dizer isso. No Brasil, em 1941, a exibição de “O Grande Ditador” fez o Major Coelho dos Reis, um diretor do DIP, de Vargas, ver cenas “definitivamente comunistas e desmoralizadoras das Forças Armadas”. O filme foi proibido (Leia-se a nota final).

Em pleno século XXI, nenhuma das frases do discurso judeu, que se dirige, em primeiro lugar, ao emblema de coragem e rebeldia do filme, que é a jovem HANNAH, perdeu o seu valor. Precisamos até de todo aquele otimismo, meio ingênuo, e daquela esperança, completamente viva, das suas linhas finais. Precisamos da mensagem de CHAPLIN. Para continuarmos a luta pela nossa causa. E não resta nenhuma outra a não ser a mais antiga de todas. Ela é, como diria a outra HANNAH, a HANNAH ARENDT, a única, de fato, que desde o início determina a própria existência da política: a causa da liberdade em oposição à tirania.

Para o Professor José Oliveira Santos, que, permitam o termo, foi meu Promotor de Justiça.

Nota Final – Cito o livro do pesquisador e jornalista INIMÁ SIMÕES, “Roteiro da Intolerância A Censura Cinematográfica no Brasil”, publicação da Editora SENAC (São Paulo), em parceria com a Editora Terceiro Nome, de 1999, p. 28. O livro mostra como foi a censura de filmes no país, em especial no período do Regime de 1964, definindo-a como um organismo executor de orientação da alta hierarquia militar. Aos possíveis leitores, trago os nomes de livros essenciais, referidos no artigo, sobre o genial cineasta. “Chaplin, uma Biografia definitiva”, de DAVID ROBINSON, Editora Novo Século, São Paulo, 2001, e “Chaplin. Uma Vida”, de STEPHEN WEISSMAN, escritor e psiquiatra, Editora Larousse do Brasil, 2010. Ainda a autobiografia de CHAPLIN, “Minha Vida” (tenho a 10ª edição do livro da Editora José Olímpio, Rio, 1998). E o magnífico livro de OTTO FRIEDRICH, “As Cidades das Redes”, uma história social e cultural dos anos 40 em Hollywood, Companhia das Letras, São Paulo, 1988 (acredito que seja a única edição feita no Brasil).

 

 

 

 

 

 

 

6 Comments

Leave a Reply
  1. A inveja não é um bom sentimento. Não a cultivo, mas tenho que ser absolutamente honesto, ao ler o texto do magistrado, intelectual e sobretudo humanista Nivaldo Mulatinho, senti uma pontinha de inveja, por não ter pensado escrever, mesmo com minha limitadíssima riqueza intelectual, incomparável ao brilhantismo do autor, algo que me emociona, comove e mobiliza como Charles Chaplin, que cultivei, declamando o seu magnífico discurso em O Grande Ditador, durante a minha juventude e em tempos da tenebrosa ditadura de 64.
    O Dr. Nivaldo, em seu texto, foi neste Natal o meu Papai Noel, presenteando-me com tão belo, inspirador e instigante texto.
    Recomendo a todos(a) a leitura e as leituras recomendadas, pois todas nos ajudarão a ser melhores ainda em 2013!
    Feliz Natal pra todos(a)!

  2. Nivaldo Mulatinho, conheço a alta qualidade de seus textos, os quais tenho a honra de publicar no OF. Preciso dizer que este ensaio sobre Chaplin está o mais apaixonante deles. É claro que não se deve apenas a falar sobre Chaplin. Mesmo porque a grandiosidade de Carlitos representa um risco se mal colocadas as palavras. A forma clara e precisa e o conteúdo perfeito: nem mais, nem menos do que precisa ser dito, tornaram o seu ensaio o mais rico sobre O Grande Ditador que já li.
    Obrigada pela contribuição!
    O Observatório Feminino quer mais. Escreva. Como bem disse o Prof. Lourival Holanda, o escritor está pronto. Acrescento, e talentoso!

  3. ” Precisamos da mensagem de CHAPLIN. Para continuarmos a luta pela nossa causa. E não resta nenhuma outra a não ser a mais antiga de todas. Ela é, como diria a outra HANNAH, a HANNAH ARENDT, a única, de fato, que desde o início determina a própria existência da política: a causa da liberdade em oposição à tirania.” Tenho visto muitos filmes sobre a tirania de Adolf Hitler e saber…, era fã de cinema, se ele tivesse se inspirado e adotado a simplicidade e a personalidade de CHAPLIN,a História seria tão diferente, sinto por tantas vidas perdidas de forma tão insana e sem nenhum motivo…Belíssimo texto Dr.Nivaldo Mulatinho.

  4. Chaplin e Hitler, destinos diferentes vivendo em uma mesma época, talvez o bigode de chaplin no Ditador podesse suavisar a aparência da cobiça e do poder,q permeava a mente fraca e pervesa,”Lutemos por um mundo novo… um mundo bom que a todos assegura o ensejo de trabalho, que dê futuro “Aos que me podem ouvir eu digo: `Não desespereis!’ A desgraça que tem caído sobre nós não é mais do que o produto da cobiça em agonia, da amargura dos homens que temem o avanço humano…”
    CHAPLIN.

  5. Que texto belo, e imaginar que hoje aplaude-se lixo como o Tarantino chamando-o de gênio. Vivemos a barbárie, Chaplin é um remédio em meio a esse inferno de desumanidade e egoísmo. Levarei esse texto, com a licença do autor e seu reconhecimento, para dar aula aos meus alunos. Obrigada, Nivaldo Mulatinho.

    • Danielle, nós do Observatório Feminino ficamos muito felizes quando publicamos um texto para além do consumo rápido. O autor Nivaldo Mulatinho Filho disponibiliza sim o texto de Chaplin para aulas, debates e contribuições dos leitores. Particularmente, percebo que vc é uma professora preocupada em levar aos seus alunos mais do que o definido no programa escolar. Parabéns! O OF é entusiasta da educação que prioriza a interpretação de textos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ceia de Natal: prática, gostosa, econômica e ultra criativa

Meu namorado é diferente!